segunda-feira, 25 de agosto de 2014

SANTO DO DIA - 25/08

25/08
S. José Calasanz
São José Calasanz, nasceu no ano de 1557, em Peralta de la Sal, diocese de Urgel, em Aragão, Espanha. Foi ordenado sacerdote aos 28 anos de idade, manifestando logo uma grande inclinação para a vida eremítica. Trabalhou por algum tempo em sua terra natal, indo depois para Roma na qualidade de teólogo em companhia do cardeal Marco Antônio Colonna. Lá entrgou-se de copor e alma à educação das crianças pobres, dedicando-se com espírito de apóstolo à instrução dos meninos do Trastevere, na Paróquia de Santa Dorotéia, onde era vigário cooperador. Por volta do ano 1597, fundou a primeira escola gratuita aberta aos filhos dos pobres, viu-se encorajado a fazer mais pela afluência de tantos voluntários, que se ofereceram para lecionar gratuitamente aos meninos. Assim, fundou a Congregação dos Clérigos Regulares das Pias Escolas, vinculados não só pelos votos de pobreza, castidade e obediência, mas também um quarto voto, que os compromete com a instrução dos jovens.

Imediatamente esta instituição conseguiu a notoriedade que bem merecia: A Congregação se espalhou em todos os países europeus, trazendo mais dores que a alegrias ao Santo fundador. José Calasanz sofreu muito por causa dos ciúmes dos próprios co-irmãos: acusado de incapacidade, foi destituído do governo da própria congregação, ficando em seu lugar uma espécie de interventor da Santa Sé. Com admirável paciência e serenidade, José Calasanz arregaçou as mangas e com a obstinação dos pioneiros reergueu o edifício que havia desabado. A Congregação ressurgiu das cinzas, mas com os mesmos programas sociais: de cultivar as jovens inteligências dos meninos de periferia. Somente oito anos após a sua morte é que o Papa Alexandre VI aprovava definitivamente o Instituto.

São José Calasanz morreu no dia 25 de agosto de 1648 com 90 anos de idade. Foi canonizado no ano de 1757.

São José Calasanz, proteja nossas crianças carentes e marginalizadas que muitas vezes clamam pelo pão que mata a fome, o pão da educação, do amor, da ternura e do afeto, fazendo com que todos nós tenhamos vontade de ajudar e colaborar.
Santa Patrícia
Patrícia era descendente do imperador Constantino, o Grande. Nasceu no início do século VII em Constantinopla e foi educada para a corte pela sua dama Aglaia, uma cristã muito devota. A pequena cresceu piedosa e, apesar da pouca idade, emitiu voto de virgindade a Cristo. Mas, para se manter fiel teve  de fugir da cidade, porque seu pai Constante II, então imperador, insistia em lhe impor um matrimônio.

Patrícia ajudada e em companhia de Aglaia, com algumas seguidoras, se esconderam por algum tempo. Depois embarcaram para as ilhas gregas, com destino à Itália, onde desembarcaram em Nápolis. Patrícia ficou encantada com o local e indicou o lugar onde gostaria de ser sepultada. Em seguida patrocinou à cidade ajudando a ornamentar muitas das novas igrejas eram desprovidas dos objetos litúrgicos essenciais e abasteceu financeiramente os conventos que atendiam os pobres e doentes.

Só então viajou para Roma com Aglaia e as fiéis discípulas, onde procurou proteção junto ao Papa Libério. Foi quando soube que seu pai já havia se resignado à sua vontade. Recebeu então o véu, símbolo de sua consagração a Deus, das próprias mãos do Sumo Pontífice. Assim, elas retornaram à Constantinopla para Patrícia renunciar o direito à coroa e distribuir seus bens aos pobres, antes de seguirem em peregrinação à Terra Santa.

Porém, outros incidentes ocorreram à elas. A embarcação se distanciou dos vários perigos e se desgovernou até se espatifar nos rochedos da costa marítima de Nápolis. Precisamente na pequena ilha de Megaride, também conhecida como Castel dellOvo, onde havia um pequeno convento, no qual Patrícia morreu, depois de sobreviver por pouco tempo.

Os funerais de Patrícia, segundo os registros, foram organizados pela fiel Aglaia e transcorreram de modo solene com a participação do Bispo, do duque da cidade e da imensa multidão. O carro puxado por dois touros sem nenhum guia, parou diante do Mosteiro das irmãs basilianas dedicado aos Santos Nicandro e Marciano, que Patrícia indicara para ser sepultada. Ali as relíquias permaneceram guardadas por essas irmãs que passaram a ser chamadas de "patricianas", ou Irmãs de Santa Patrícia. Mais tarde os basilianos transferiram as Regras para a dos beneditinos e essas Irmãs também acompanharam a renovação.

Para retribuir o carinho desta Santa que retornou a Nápolis só para ser sepultada, a população difundia sempre mais seu culto, tornando-o forte e vigoroso. Em 1625, Santa Patrícia foi proclamada co-padroeira de Nápolis, sendo tão comemorada quanto o outro padroeiro: São Genaro, o célebre mártir.

Por motivos históricos, em 1864 suas relíquias foram transferidas para a capela lateral da esplêndida igreja do Mosteiro de São Gregório Armênio. A Igreja confirmou o culto Santa Patrícia no dia 25 de agosto.