sábado, 19 de julho de 2014

SANTO DO DIA - 19/07

19/07
Santo Arsênio
Arsênio, que pertencia a uma nobre e tradicional família de senadores, nasceu no ano 354, em Roma. Segundo os registros, ele foi ordenado sacerdote, pessoalmente, pelo papa Dâmaso. Em 383, o próprio imperador Teodósio convidou-o para cuidar da educação e formação de seus filhos Arcádio e Honório, em Constantinopla. Arsênio permaneceu na Corte por onze anos, até 394. Enfim, conseguiu a exoneração do cargo e retirou-se para o deserto no Egito.

O mundo católico passava por muitas transformações. Nos séculos anteriores, o martírio, a morte pela fé na palavra de Cristo, era o melhor exemplo para a salvação da alma. A partir do século IV, a "morte em vida" passou a ser o sacrifício mais perfeito para a purificação, com o aparecimento dos eremitas no Oriente. Eram cristãos e isolavam-se no deserto, em oração e penitência, numa vida solitária e contemplativa, como forma de servir a Deus.

No início, sozinhos, depois se organizavam em pequenas comunidades. Havia apenas uma regra ascética, para fixar o período de jejum e oração, mas que mantinha uma rígida separação, inclusive de convivência entre eles mesmos.
Arsênio tornou-se um deles. O seu refúgio, no deserto egípcio da Alexandria, era dos mais procurados pelos cristãos, que buscavam, na sabedoria e santidade de alguns ermitãos, conselhos e paz para as aflições da alma, mesmo que para tanto tivessem de fazer longas e cansativas peregrinações.

A antiga tradição diz que ele não gostava muito de interromper seu exílio voluntário para atender aos que o procuravam. Mas, para não usufruir o egoísmo da solidão total, decidiu juntar-se aos eremitas de Scete, também no deserto da Alexandria, os quais já viviam parcialmente em comunidade, para não se isolarem totalmente dos demais seres humanos.

Mas a paz e a tranqüilidade daqueles religiosos findaram com a invasão de uma tribo das redondezas. Arsênio, então, abandonou o local. Entre 434 e 450, viveu isolado, só nos últimos anos aceitando a companhia de uns poucos discípulos. Ele acabou recebendo de Deus o dom das lágrimas. Em oração ou penitência, quando se emocionava com o Evangelho, caia em prantos. Morreu em Troc, perto de Mênfis, em 450.

A importância de Santo Arsênio na história da Igreja prende-se à importância da época em que nasceu e viveu. Foi um dos mais conhecidos eremitas do Egito, sendo considerado um dos "Padres do deserto". O seu legado chegou-nos por meio de uma crônica biográfica e de suas sábias máximas, escritas por Daniel de Pharan, um dos seus discípulos. Além de um retrato estampando sua bela figura de homem alto e astuto, feito pelo mesmo discípulo.
Santo Serafim de Sarov
Prothor Moshnim, nasceu em 1759, na cidade de Kursk, na Rússia, onde seus pais eram comerciantes. Aos dez anos ficou muito doente. Nossa Senhora lhe apareceu em sonho prometendo que seria curado por ela. De fato, alguns dias depois ele se recuperou, após tocar no quadro de Nossa Senhora durante uma procissão.

Desde menino, gostava de ler o Evangelho, ir à igreja e se isolar para rezar. Confirmou esta vocação na idade de dezoito anos, quando ingressou no mosteiro de Sarov. Alí fez seus votos de abstinência, vigília e castidade. Costumava se isolar numa choupana de uma floresta próxima, dedicado às orações e penitências. Mas, durante três anos teve de ficar numa cama, após adoecer gravemente. Novamente, a Virgem Maria lhe apareceu, desta vez acompanhada por alguns Santos, e o curou, após toca-lo.

Aos vinte e sete anos, ele recebeu o hábito de monge e tomou o nome de Serafim, que em hebraico significa: ardente. Ele tinha o dom de ver os anjos, Santos, Nossa Senhora e Jesus Cristo também. Numa liturgia ele viu o próprio Jesus, entrando na igreja junto com os anjos e Santos e abençoando o povo que estava na igreja. Serafim ficou tão atônito, que durante muito tempo perdeu a voz.

Sete anos depois, ele se isolou no interior da floresta onde alcançou uma grande perfeição espiritual. Mas, foi atacado por ladrões e seriamente ferido. Mesmo tendo uma constituição física muito forte, e na mão um machado, ele não ofereceu nenhuma resistência. E como não tinha dinheiro foi espancado e quase morreu. Em seguida os ladrões foram detidos e no julgamento o monge intercedeu por eles. Desde então, Serafim ficou curvado para o resto da vida.

Depois deste episódio, iniciou um período de penitência. Ficou durante mil dias e mil noites isolado na floresta. De dia ficava ajoelhado numa pedra com as mãos erguidas para o céu e à noite desaparecia dentro da floresta. Após outra aparição de Nossa Senhora, quase no final de sua vida, Serafim adquiriu o dom da transfiguração do Espírito Santo e se tornou um guia espiritual, dentro do mosteiro. Milhares e milhares de pessoas, de todas as classes sociais, foram enriquecias com os seus ensinamentos. Para todos, se apresentava radiante, humilde e caridoso. Dizia que : "Alegria não é pecado. Ela afugenta o cansaço, que pode se transformar em desânimo; e não há nada na vida pior que o desânimo".

Serafim morreu deixando claro o ensinamento que seguiu a vida toda: "É preciso, que o Espírito Santo entre no coração. Tudo aquilo que nós fazemos de bom por causa de Cristo, nos dá a presença do Espírito Santo, mas a oração, que está sempre ao nosso alcance, nos dá muito mais". A igreja do mosteiro de Sarov na cidade de Krusk abriga os seus restos mortais.
São Símaco
Neste dia celebramos um santo Papa que enfrentou um período da história em que a Igreja sofria com pressões internas e externas, embora as portas do inferno não prevalecessem. Símaco nasceu na ilha da Sardenha no século V e depois de pertencer ao clero romano foi eleito em 498 para sucessor da Cátedra de Pedro, e assim governou a Igreja por 16 anos até entrar no Céu em 514.

No tempo de Símaco muitas famílias tradicionais de Roma, como o Senado buscavam de todas as formas influenciar na ação da Igreja, trazendo assim muitos prejuízos; isto perdurou por um tempo até levantar-se Símaco. O Santo Papa combateu e venceu estes "invasores", recuperando assim a total liberdade da Igreja, na sua organização e disciplina.

Com a queda do Império Romano e invasão dos Vãndalos, godos, visigodos e lomgobardos, que começavam a dominar o Ocidente, São Símaco, na ousadia, entrou nas intrigas sociais e políticas, para assim tomar partido da paz e harmonia e não de algum dos lados. Na função eficiente de pai comum suscitou a inveja do imperador do Oriente que começou a perseguir os cristãos; em resposta e esta atitude corrigiu Símaco: " Lança um olhar, ó Imperador, a tantos príncipes que perseguiram a Igreja e vê como todos eles tiveram triste fim, ao passo que a Igreja perseguida continua com tanto mais glória, quanto mais violenta lhe foi a perseguição".