sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O Pecado da Imodéstia. Qual a gravidade?

A Gravidade do pecado em usar uma calça "feminina", depende da peça. Se a mulher usar uma calça modesta (o que é artigo raro hoje em dia), sem justa causa (trabalho por exemplo), seria um pecado venial por estar se vestindo com roupas de homem, e igualando os sexos. Vejam o que diz nas escrituras sagradas:

"A mulher não se vestirá de homem, nem o homem se vestirá de mulher: aquele que o fizer será abominável diante do Senhor, seu Deus". Deuteronômio 22,5

A Gravidade do pecado em usar uma calça varia conforme o grau de imodéstia da peça podendo variar do venial ao mortal. Aqui não somente pelo uso de calças imodestas, mas por exemplo, mini-saias, vestidos super curtos, e roupas similares que são gravemente escandalosas. Alguns ironicamente [sem fundamento] dizem "não é lei da Igreja a modéstia". Eu digo é sim! Já citamos diversas vezes neste blog textos de papas e também de santos a respeito. Assim diz o sexto mandamento da lei de Deus: "Não pecar contra a castidade".

Castidade significa controle do instinto sexual, ou fazer com que o apetite sexual esteja de acordo com os sexto e nono mandamentos: Não cometerás adultério; Não cobiçaras a mulher de teu próximo. Modéstia, por outro lado, é a guardiã da castidade. É freqüentemente comparada a uma muralha que nos protege a nós mesmos e aos outros contra os freqüentes ataques feitos contra a castidade. [1]

Ou seja, se alguém tem a intenção de tentar a outros pela imodéstia, é sempre um pecado mortal, não importa quão pequena a imodéstia possa ser. Vamos pensar na seguinte hipótese, muito comum no pensamento das jovens hoje em dia: Uma moça coloca uma calça justa, extremamente apertada, ou seja, já está mostrando os glúteos, pernas, e regiões genitais que ficam delineadas - contornadas. Ela sai na rua, para que os homens achem ela "bonita". Isso seria um pecado mortal, da mesma forma se ela tivesse o mesmo pensamento de mostrar o corpo com uma mini-saia ou um shorts curto. Um homem casado por exemplo olha, isso seria adultério, e a moça que usou a peça comete sim um pecado mortal pelo escândalo ter partido dela.

Deus merece sempre nosso melhor

Na realidade, não importa se é pecado ou não. Isso tem pouca importância para quem quer realmente agradar mais a Deus. Como diz oPadre Paulo Ricardo em sua última palestra sobre modéstia: "Pecado ou não, isso é coisa de quem está ainda na primeira morada." Ou seja, quando queremos agradar mais a Deus fazemos tudo da forma mais perfeita possível, e da forma que mais o agrada, e não nos contentamos com o pouco, com o "básico" para Deus. Ele merece nosso melhor. Ainda que o uso regular de calças sem justa causa não fosse pecado, uma coisa é certa: as saias longas são muito mais modestas que as calças e isso ninguém poderá nunca negar. Se são mais modestas por que não nos desapegamos do que é mundano e não nos vestimos para Deus? Por que não dar nosso melhor para ele?

É o que algumas moças fazem e são radicalmente criticadas, humilhadas por outras que não tem coragem de tomar esta atitude. Muitas não mudam seu guarda - roupas por excesso de amor próprio. Mas esse amor próprio, como dizia os santos, é o seu pior inimigo. Enquanto temos o amor próprio de ser bem visto pelo mundo, de ser aplaudido por todos, por ter um "corpão", enquanto isso ficar acima do amor a Deus, nunca teremos coragem de mudar. O fato é que agora neste artigo, não tratarei "se é pecado ou não", mas vou focar no que mais agrada nosso Senhor. Vejam esta imagem e se pergunte, se a virgem Maria fosse vestir uma roupa e viesse hoje à terra, que roupa ela vestiria? Qual destas duas opções? Qual das duas é modesta?




Alguns tentam negar o óbvio dizendo "quem falou que a saia agrada mais a Deus?" Minha filha, é só olhar para a Imagem, qual delas é modesta? Qual delas não fere a dignidade feminina? Negar isso é no mínimo desonestidade da parte da pessoa. É fato que vestidos e saias são roupas de mulheres, são modestas, e portanto por serem modestas agradam muito mais a Deus. Isso é no minimo algo lógico.

Quem ama Jesus Cristo procura desprender-se de todas as criaturas

Assim diz Santo Afonso de Ligório: "Quem quiser amar a Jesus Cristo de todo o coração, precisa expulsar do coração tudo o que não é de Deus, mais o amor próprio. Isso é o significado de "não procurar o que não lhe pertence", não procurar a si mesmo, mas só aquilo que agrada a Deus. É isto que pede o Senhor a cada um de nós: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração".


Para amar a Deus de todo o coração requerem-se duas coisas: primeira, esvaziá-lo das coisas da terra; segunda, enchê-lo do amor de Deus.

O coração no qual existe algum afeto terreno, não pode jamais ser todo de Deus. Mas como se purifica o coração das coisas terrenas?São Felipe Neri dizia que quanto de amor pomos nas criaturas, tanto tiramos de Deus. Purifica-se com as mortificações e com o desapego das coisas criadas. Certas pessoas queixam-se de que procuram a Deus e não o encontram. Ouçam o que diz Santa Teresa:"Desapeguem o seu coração das criaturas e procurem a Deus que o encontrará."

O erro está [continua Santo Afonso] em alguns quererem tornar-se santos, mas a seu modo. Querem amar a Jesus Cristo, mas conforme sua inclinação, sem deixar certos divertimentos, certas vaidades no vestir, certos alimentos apetitosos. Amam a Deus, mas se não conseguem tal emprego, vivem inquietos. Se alguém lhes toca na fama, logo se irritam. Se não saram de uma doença, perdem a paciência. Amam a Deus, mas não abandonam o apego às riquezas, às honras do mundo, à vaidade de serem tidos por pessoas de classe, sábios, melhores que os outros. Essas pessoas rezam, comungam, mas tem o coração cheio de coisas terrenas, pouco proveito tiram. A eles o Senhor não fala, por que vê que perde tempo." [2]

Esse texto de Santo Afonso é muito apropriado ao assunto, e também no que disse o Padre Paulo Ricardo, como citei anteriormente: "Essa coisa de pecado ou não pecado é coisa de gente que está ainda lá na primeira morada". Quem quer agradar a Deus vive sua vida em função de Deus, e não quer ofendê-lo com o menor pecado que seja.

Muitas pessoas não mudam sua forma de vestir, por que colocam o amor próprio acima de Deus. Seguem ao próprio ventre, querendo continuar sendo bem visto e aplaudido por todos. Não querem ser diferente, não querem desfazer-se de calças apertadas, de vestidos imodestos, não querem desfazer-se do tomara que caia, ou da legging. Querem amar a Deus, como disse Santo Afonso, mas a seu modo.

Termino este artigo com uma bela frase de outro doutor da Igreja: São Francisco de Sales. Para refletirmos sobre essa tão grande qualidade: A modéstia!

"Guarda-te cuidadosamente das vaidades e afetações, das curiosidades e das modas levianas. Observa as regras da simplicidade e modéstia, que são indubitavelmente o mais precioso ornamento da beleza e a melhor escusa da fealdade." (São Francisco de Sales).


A Mulher pode ser elegante, bonita, mas nunca vulgar!


Salve Maria Puríssima.