quarta-feira, 10 de maio de 2017

Como explicar Maria “Medianeira” aos protestantes


Maria Medianeira

Meu primeiro encontro pessoal com a Virgem Maria aconteceu quando eu era um estudante em um seminário anglicano protestante na Inglaterra.Eu tinha sido criado como um evangélico e encontrei meu caminho para a igreja Anglicana. Lá eu estava me preparando para a ordenação. Um amigo católico, que foi um oblato beneditino, sugeriu que eu gostaria de visitar um mosteiro beneditino católico.
Enquanto lá, eu disse a um dos monges que durante um tempo de oração contemplativa que eu havia sentido a presença de Deus de uma forma muito real, mas feminino. A feminilidade me havia perturbado porque eu sabia que Deus não é feminino. O monge sorriu e disse: “Não se preocupe. Isso não é Deus. É a Virgem Maria. Ela é a Medianeira. Ela quer ajudá-lo com suas orações e trazê-lo mais perto de Deus.”
Eu fiquei chocado. Na época, a Virgem Maria não desempenhou nenhum papel na minha vida devocional. Como um bom rapaz evangélico que eu era, tinha memorizado 1 Timóteo 2:5, que diz: “Há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” Ao chamar a Maria de “Medianeira”, ele confirmou meu preconceito contra os católicos que acreditam em coisas que “contradizem a Bíblia”. Ele também confirmou a minha suspeita de que os católicos deram à Maria um status de igualdade com Jesus.
Eu coloquei essa noção firmemente para um lado e não considerei-a novamente até depois de eu ter entrado na Igreja Católica. Este adiamento foi possível porque o papel de Maria como Co-redentora e Medianeira da graça não é um dogma definido formalmente da Igreja Católica. Continua a ser uma opinião piedosa, um modo devocional útil e forma teológica de meditar sobre Maria. Minha atenção foi atraída de volta à questão, no entanto, quando eu estava escrevendo Maria: Um Debate católicos x evangélicos com um velho amigo que tinha frequentado a Bob Jones University comigo.


Uma vara para atiçar-nos


Eu entendo títulos como Maria Medianeira e Co-redentora continuam a ser um dos pontos mais doloridos nas discussões evangélica – Católicas. Um protestante que já ouviu falar desses títulos vai usá-los como uma grande clava com o qual vencer os católicos, e é importante saber a melhor forma de envolver a discussão.
Para o diálogo genuíno, é vital ouvir e entender o ponto de vista evangélico. Os objetores evangélicos das devoções e títulos à Mãe de Deus, exaltam-se porque acham que prejudicam a honra e a adoração devida a Jesus Cristo. O protestante não pretende intencionalmente desprezar Maria, porém, menosprezam-na para defender a devoção adequada ao seu Filho.
O modo para começar qualquer discussão à cerca de Maria como Medianeira e Co-redentora é afirmar que os católicos realmente acreditam que a morte de Jesus Cristo é toda-suficiente para a salvação dos nossos pecados. Se você puder citar um autor notoriamente devoto de Maria; “Veja, aqui está alguém que promove devoção mariana”, você diz: “Ele realmente quer que ela seja proclamada Co-Redentora, mas insiste que a morte de Cristo é toda suficiente.” Contudo, é importante salientar que nem todo autor católico reflete fielmente em seus escritos as Doutrinas Católicas. Ensino católico é ensinado pelo Magistério da Igreja. Autores católicos, porém, podem – mesmo que não intencionalmente – contradizer a Igreja. Nesse sentido, é imperativo que o autor usado em sua discussão seja fiel ao Magistério. Se isso não puder ser comprovado, é melhor restringir-se ao uso do Catecismo como fonte para demonstrar o que ensina a Igreja-
Considerados os pontos acima, um livreto chamado Vox Populi Mariae Mediatrici do Centro Petição que promove estes títulos para Maria começa com estas palavras: “A salvação da humanidade foi realizada por unigênito Filho de Deus, Jesus Cristo, A Paixão e Morte de Cristo. o nosso único Redentor, não foi apenas suficiente, mas satisfação “superabundante” por culpa humana e o consequente endividamento de punição “( Um novo Dogma Mariano? Corredentora, Medianeira de todas as graças e advogada ).
O livreto passa a explicar: “Mas Deus quis que esta obra de salvação fosse realizado através da colaboração de uma mulher, respeitando seu livre arbítrio (Gal. 4:4).” Este ponto apresenta um bom próximo passo em discutir essa crença católica com uma evangélica.



Você vai cooperar ou não?


Em vez de perder tempo em uma discussão sobre Maria ser Medianeira e Co-redentora, é útil discutir o princípio e a possibilidade dos seres humanos cooperarem com Deus na obra da redenção. Os protestantes têm uma resistência arraigada a ideia de que podemos cooperar com Deus para a nossa redenção em tudo. Em seu desejo de manter as doutrinas da sola gratia e sola fide , alguns deles vão para os extremos de acreditar que não podemos fazer absolutamente nada para cooperar com Deus na nossa redenção porque isso equivaleria a salvação pelas obras.
Como resultado, os sistemas de crenças mais evangélicos contem um elemento muito forte de quietismo. Quietismo é uma espécie de fatalismo: É que a heresia que diz que você pode fazer absolutamente nada para se engajar no trabalho de sua salvação. É a crença cada alma seja como uma folha na maré da onipotente Providência de Deus. Devido a esse entendimento, é difícil para muitos evangélicos compreenderem a ideia de que Deus usa a cooperação humana para cumprir a sua vontade no mundo. Que a cooperação humana é realmente crucial para a redenção do mundo não faz parte da sua perspectiva.
Portanto, antes de falar sobre a colaboração de Maria com Deus, vale a pena discutir o princípio básico de que os seres humanos podem cooperar com Deus. A maioria dos evangélicos vai admitir que nós, de fato, necessitamos de responder à graça de Deus para que ele seja eficaz em nossas vidas. Mesmo no nível mais básico, os evangélicos admitem que uma pessoa deve “aceitar Jesus” para ser Salva, e nesse sentido, automaticamente são obrigados a admitir que devem cooperar com a Graça de Deus. Assim como eles fazem, você pode apontar que esta é uma forma de cooperação com Deus. Neste ponto, a vontade humana e a vontade divina estão unidas para a obra da salvação.
Esta cooperação com Deus não é apenas para a salvação do indivíduo. O Novo Testamento deixa claro que há mais do que isso. Assim, por exemplo, afirmamos que Jesus é o Sumo Sacerdote da Nova Aliança, mas o Novo Testamento chama-nos também a partilhar esse sacerdócio (Apocalipse 1:5-6;. 1 Pe 2:5,9). Fazemos isso através da partilha dos sofrimentos de Cristo (Mt 16:24; 1 Pe 4:13.). Paulo chama-se “co-trabalhador com Cristo” (1 Coríntios 03:09). E diz que parte disso é que ele foi crucificado com Cristo e ações nos sofrimentos de Cristo (2 Cor 1,5;. Phil 3,10) .
Se o evangélico acredita na Bíblia e quer viver uma vida cristã, ele não só deve admitir que ele precisa cooperar com Deus para a sua própria salvação, mas também que esta cooperação é parte de uma identificação maior com Cristo, e que esta identificação com Cristo é para a salvação do mundo. Ele também deve admitir que, de alguma maneira misteriosa, os sofrimentos que enfrentamos fazem parte da maneira como Deus trabalha para redimir o mundo.


Maria Evangelista


Uma vez que um evangélico admite que a cooperação com Deus não é apenas possível, mas necessária, abre-se a ideia de que há um propósito para a nossa co-labuta com Deus. Nós cooperamos com Deus para a salvação do mundo. Aqui é outro ponto em que a crítica evangélica pode se conectar. O evangélico acredita que cada um de nós tem uma nova missão na vida: Devemos proclamar Cristo crucificado. Temos que espalhar o evangelho e compartilhar da obra salvífica de Cristo com o mundo. Somos chamados à oração, santidade e evangelismo. De lá, é um pequeno passo para ver que esta é uma outra maneira de dizer que somos chamados a ser mediadores do amor e do perdão de Cristo. Todo cristão acredita que ele ou ela é chamada a rezar para o mundo, para interceder e mediar pelos outros, para ter um “ministério da reconciliação” (2 Coríntios. 5:18-19). Os evangélicos conhecem os exemplos do Antigo Testamento, onde Moisés e Abraão intercederam em nome de outras pessoas juntos a Deus, e todos os cristãos concordam sobre a necessidade de mediar em oração uns pelos outros. Esta é uma boa maneira de explicar o papel Medianeira da Bem-aventurada Virgem Maria. Maria é a primeira evangelista. Ela carregava a Palavra de Deus em seu corpo, manteve-O lá, e trouxe-O ao mundo. Este foi o seu papel prático na Encarnação, mas houve também o seu papel teológico. Ao fazer isso, ela nos mostra a nossa vocação menor a ser mediadores da Nova Aliança e ministros da reconciliação.
É verdade que o papel de Maria como Medianeira é mais cósmico do que o nosso, mas os princípios são os mesmos. Compreender nossa própria participação na obra salvífica de Deus através da oração e do sacrifício de mediação nos ajuda a entender como ela faz a mesma coisa, só que maior e melhor, porque ela é o mais sagrada dos seres humanos e aquela que está mais próxima do Filho de Deus.
Vale a pena discutir que os Padres da Igreja viram Maria como medianeira de toda a graça.
Cirilo de Alexandria, no século IV escreve:
Ave, Maria, Mãe de Deus, venerável tesouro do mundo inteiro. . . é você através pela qual a Santíssima Trindade é glorificada e adorada. . . através do qual o tentador, o diabo é lançado do céu, pelo qual a criatura caída é levantada até o céu, por meio de quem toda a criação, uma vez preso pela idolatria, chegou a conhecimento da verdade, pelo qual as nações são trazidos ao arrependimento. (Qtd. em Luigi Gambero, Maria e os Padres da Igreja: A Bem-Aventurada Virgem Maria no pensamento patrístico )
Efrém da Síria, diz, “com o medianeira, és a Medianeira de todo o mundo”, e Antípatro de Bostra, pai do Concílio de Éfeso, escreveu sobre a Virgem Maria, no século V, “Salve, tu que aceitavelmente intercede como mediadora pela humanidade “(qtd. em Gambero, Maria e os Padres ).
Estas citações podem ser multiplicadas a partir das liturgias e escritos teológicos da atualidade. A linguagem exaltada dos roteiristas mostra como eles aceitavam o papel de Maria como medianeira e co-redentora. Este ponto de vista sobre Maria como Medianeira não era uma invenção posterior, mas sim nos vem da Igreja primitiva.
O crítico evangélico pode até concordar com você até este momento, mas ele ainda achará o título de “Co-Redentora” um estiramento. Maria pode ter tido uma compreensão íntima da obra redentora de Cristo, e ela pode ter um papel como intercessora e guerreira de oração, mas isso não implica necessariamente que ela seja Co-Redentora. Neste ponto, vale a pena explicar que não sugerem que a cooperação de Maria com Deus seja igual a obra de Cristo. Trata-se de uma ordem diferente, mas no entanto, necessária. As palavras de Madre Teresa “Sem Maria, sem Jesus” expressam uma verdade profunda. Deus escolheu trazer seu Filho ao mundo, através da cooperação de Maria. Sem essa cooperação não teria havido nenhuma Encarnação e, portanto, não haveria Redenção.



Mãe das Dores


O evangélico pode aceitar isso em teoria, mas ainda pode ter dificuldade para aceitar como Maria pode ser chamada de “co-redentora”. Vale a pena voltar às palavras misteriosas de São Paulo. Em uma frase surpreendente, São Paulo diz que sua participação nos sofrimentos de Cristo é realmente eficaz. Ele afirma completar “o que falta aos sofrimentos de Cristo”, em nome da Igreja (Colossenses 1:24). Se ele tem que completar os sofrimentos de Cristo, estaria São Paulo a implicar que a morte de Cristo na cruz tivesse sido inadequada? Obviamente que não. Em vez disso, ele está ensinando que Seu sacrifício todo-suficiente é concluído quando aceito e abraçado por nossa cooperação e que o nosso sofrimento desempenha um papel misterioso nesta ação. Deste modo a redenção de Cristo é aplicada e trazida à vida no momento presente por nossa própria cooperação em que, todo, o sacrifício final. Ninguém diz que nós somos iguais a Cristo, ao contrário, pela graça, a nossa cooperação se torna uma parte de Cristo todo o sacrifício suficiente.
Se Paulo compartilhava de forma misteriosa nos sofrimentos de Cristo, e se ao fazê-lo ele compartilhou na obra redentora da Cruz, então não é muito difícil ver como todos nós somos chamados a fazer a mesma coisa. De fato, em Romanos 12, Paulo nos exorta a fazer exatamente isso, quando ele diz: “Apresentei os vossos corpos como um sacrifício vivo” (Rm 12:1). Jesus também nos diz que devemos “tomar a nossa cruz e segui-lo se quisermos ser seus discípulos” (Mt 16:24).
Se Maria era a pessoa que estava mais perto de Jesus, e se ela foi Seu primeiro discípulo, não se segue que essas verdades também se aplicariam a ela? Este é exatamente o que o Novo Testamento profetiza.Quando Jesus foi apresentado no templo, o profeta Simeão, sob a inspiração do Espírito Santo, disse a Maria que “uma espada traspassará o próprio coração também” (Lucas 2:35). Este verso é a base para a compreensão católica de que Maria compartilhou dos sofrimentos de Jesus de uma maneira misteriosa, e que seus sofrimentos eram uma parte do sofrimento pelo qual Ele passou.
Eu me lembro quando um membro da nossa igreja perdeu seu filho em um acidente de carro. A dor da mãe era uma coisa terrível de se ver, e era como se uma parte dela tivesse morrido naquele dia. Estes exemplos naturais podem ajudar os outros a entender porque acreditamos Maria teve um relacionamento íntimo com o sofrimento de Jesus.
Na Catedral de Westminster, em Londres, um belo crucifixo pintado paira sobre o altar central. Na frente é um retrato do Senhor crucificado, e na parte de trás é um retrato de Maria com uma expressão de dor, seus braços em orans, posição de oração. Este crucifixo ilustra a idéia de Maria como Co-Redentora. Através de seu sofrimento ela identificou totalmente com o filho, e por trazê-Lo ao mundo, permitiu a realização de Redenção.


Você não pode apenas jogar-me fora!


Os evangélicos podem aceitar Maria como vital para a Encarnação e, portanto, a Redenção, mas podem perguntar- nos por que insistimos em que ela tem um papel redentor e mediador. Acreditamos que isto seja porque o papel de Maria não foi um evento único e pronto. Maria não concebeu e apoiou a Jesus, e então simplesmente desapareceu. Se sua ação tinha significado, era como um relacionamento contínuo com o seu Filho.
No âmbito do Novo Testamento a cooperação de Maria com Deus está em curso. Quando ela concebeu Jesus, Maria começou a colaborar com a obra da Redenção (Lucas 1:38). Ela continuou a fazê-lo, ela lhe deu (Lucas 2:7), e passou a fazê-lo, como ela intercedeu junto a ele nas bodas de Caná na Galiléia (João 2:03). Seu trabalho continuou até que ela participou com Ele na cruz (João 19:25). Como a primeira cristã, ela continuou a cooperar com a graça estando presente na fundação da Igreja no dia de Pentecostes (Atos 1:14). Ela persiste neste papel como nossa Mãe do céu hoje (Rev. 12:17).
Acreditamos que o papel de Maria continua, por isso insistimos que ela não era simplesmente um canal neutro para que Deus viesse ao mundo. Ela estava envolvida com Deus, e isso importa. Maria não foi descartada por Deus, uma vez que seu objetivo foi concluído. Em vez disso, a cooperação instalou-a em um relacionamento eterno com Deus no Seu plano de salvação do mundo.
Há uma frase memorável em um filme onde um menino rompe com uma garota, e ela se sente usada. Ela grita: “Eu não sou um trapo! Você não pode simplesmente jogar-me fora!” Ter usado Maria para realizar a Encarnação e depois esquecê-la seria tratá-la como um trapo. Deus não opera assim. Quando os católicos reconhecem Maria como Medianeira e Co-Redentora, reconhecemos que a obra de Deus na vida de uma pessoa transforma-a eternamente. Maria foi dado um novo nome na Anunciação: Cheia de Graça. Tal e qual em todos os outros exemplo das Escrituras, quando uma pessoa recebe outro nome – Abraão, Sara, Pedro, Jacó, etc. O novo nome indica uma mudança ontológica. Ela se transformou em uma nova pessoa com um novo papel para sempre.
Os Padres do Concílio Vaticano II ensinaram:
[A] a maternidade de Maria na economia da graça perdura sem interrupção, desde o consentimento que ela fielmente deu na Anunciação e que manteve inabalável junto à cruz, até à consumação eterna de todos os eleitos. Levada para o céu, ela não abandonou este cargo de salvar, mas com a sua multiforme intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna. Por sua caridade materna, cuida dos irmãos de seu Filho, que ainda peregrinam rodeados de perigos e dificuldades, até que sejam levados à pátria bem-aventurada. ( Constituição dogmática sobre a Igreja , 62)
Compreender o papel de Maria na redenção lança luz sobre seu filho, mas também lança luz sobre cada um dos discípulos de seu filho. Ele completou a ela o que ele quer completar em nossa transformação a sua imagem. Seu irmão ou irmã evangélica não pode concordar com você que a Mãe de Deus é a Medianeira e Co-redentora, mas a explicação adequada dos títulos deve pelo menos dar-lhe uma nova apreciação da Maria e uma nova apreciação das maravilhas que Deus tem reservado para cada um dos seus filhos e filhas.


A mediação de Maria origina-se com Cristo


A Igreja sabe e ensina que todas as influências salutares à Santíssima Virgem para a humanidade se originam do prazer divino. Elas fluem a partir da abundância dos méritos de Cristo, o descanso em sua mediação, dela depende absolutamente, ela tira todo o seu poder a partir Dele. De forma alguma isto impede a união imediata dos fiéis com Cristo. Em vez disso, eles promovem esta união. Essa economia da influência é sustentada pelo Espírito Santo, que, assim como ofuscou a Virgem Maria quando começou na sua divina maternidade, de forma semelhante continuamente sustenta a sua solicitude para com os irmãos e irmãs do seu Filho. Com efeito, a mediação de Maria está intimamente ligada à sua maternidade. Ele possui um caráter especificamente maternal, que a distingue da mediação das outras criaturas que em vários e sempre subordinadas maneiras participam na única mediação de Cristo, apesar de sua própria mediação também ser uma mediação compartilhada. Na verdade, se é verdade que nenhuma criatura poderia ser classificada como o Verbo Encarnado e Redentor, ao mesmo tempo, a mediação única do Redentor não exclui, antes, suscita entre as criaturas a uma cooperação multiforme que é apenas uma participação nesta fonte original. E, assim, a bondade de Deus é, na realidade, de diferentes modos, para com suas criaturas. . . Com a morte redentora de seu Filho, a mediação materna da serva do Senhor tomou uma dimensão universal, para a obra da redenção e abraça toda a humanidade. Assim, não se manifesta de uma forma singular a eficácia na mediação única e universal de Cristo entre Deus e os homens. Ações de cooperação de Maria, em seu caráter subordinado, na universalidade da mediação do Redentor, único Mediador.
- Redemptoris Mater (Mãe do Redentor), 40


Nem tirar nem acrescentar nada


[A] Virgem é invocada na Igreja sob os títulos de advogada, auxiliadora, socorro, medianeira. Isso, no entanto, é tão entendido que não tira nada de nem acrescenta nada à dignidade e eficácia de Cristo, o único Mediador.
Nenhuma criatura poderia ser contada juntamente com o Verbo Encarnado e Redentor, mas, assim como o sacerdócio de Cristo é participado de diversos modos pelos ministros e os fiéis, e como a bondade de Deus é irradiada de diferentes maneiras entre as suas criaturas, assim também a única mediação do Redentor não exclui, antes suscita uma cooperação multiforme que é apenas uma partilha dessa única fonte.




Adaptado do Texto originalmente publicado por Viva Com Amor