sábado, 18 de abril de 2015

SANTO DO DIA - 18/04

18/04
Santa Maria da Encarnação
Hoje comemoramos Santa Maria da Encarnação, nascida em 1 de Janeiro de 1565, em Paris. Seu nome de batismo era Bárbara. Casou-se aos 16 anos com Pedro Acário, que era um rico senhor, com quem teve seis filhos. Seu marido foi exilado, seus bens confiscados, e defendeu seu marido até provar sua inocência.

Sempre ensinou os seus filhos, o amor a verdade o respeito aos mais pobres e desvalidos, e que viver de maneira simples, sóbria, modesta e temente a Deus, ensinando o espírito de sacrifício e a força de vontade perante as dificuldades. Com seu exemplo fez com que os infelizes, os aflitos, os doentes, os encarcerados encontravam nela amparo e proteção.

Quando seu esposo morreu no ano de 1613, ingressou na Ordem das carmelitas, jurando obediência "a própria filha, eleita abadessa do convento de Amiens. Morreu no convento carmelita de Prontoise tendo sofrido seus últimos dias num leito de dor. Morreu no dia 7 de fevereiro do ano 1618 era uma quinta feira-santa.
Santo Apolônio
Santo Apolônio, que é venerado de modo especial neste dia, foi um cristão Senador, dando forte testemunho de santidade no meio político em que freqüentava. Santo Apolônio viveu no ano 180 e era muito culto, intelectual e eloqüente, por isso respeitado por muitos.

A conversão deste Senador romano deu-se devido ao testemunho heróico dos cristãos e dos mártires; amigo e instruído nas Sagradas Escrituras pelo Papa Eleutério, Apolônio recebeu o Batismo e começou a levar muitas pessoas para o verdadeiro Deus. Por ser também invejado por muitos, Apolônio foi acusado junto com um juiz como cristão, já que prevalecia ainda a lei de Nero que condenava o Cristianismo e os seus seguidores à morte.

Diante das autoridades Apolônio confessou sua fé; acusou a idolatria e mostrou a falta de lógica do paganismo, e isso tudo sem temer a morte: "Eu sou cristão não só de palavras, mas de fato maior desejo é o de dar minha vida em testemunho da minha fé em Cristo". Após exortar a muitos à conversão da real religião, o Catolicismo, aceitou o martírio e entrou na eterna felicidade junto a Deus Pai.

Santo Apolônio, rogai por nós!
São Galdino
Galdino nasceu em 1096 e cresceu em Milão, na Porta Oriental, no início do século XII, e ali também se tornou religioso, passando logo a auxiliar diretamente o arcebispo Oberto de Pirovano. Juntos enfrentaram um inimigo pesado, o antipapa Vitor IV que, apoiado pelo Imperador Frederico, o Barbaroxa, que oprimia violentamente para dominar o mundo.

Como Milão fazia oposição, a cidade foi simplesmente arrasada em 1162. O arcebispo e Galdino só não morreram porque procuraram abrigo junto ao Papa oficial, Alexandre III.

Mas logo depois Oberto morreu, e o arcebispado precisava de alguém que continuasse sua luta. O Papa não teve nenhuma dúvida em nomear o próprio Galdino e o consagrou bispo pessoalmente em 1166.

Galdino não decepcionou sua diocese católica. Praticava a caridade e instigava todos a fazê-lo igualmente. Pregava contra os hereges, convertia multidões e socorria também os pobres que se encontravam presos por causa de dívidas, geralmente vítimas de agiotagem.

A esses, inclusive, serviu tanto que suas visitas de apoio receberam até um apelido: "o pão de São Galdino". Uma espécie de "cesta básica" material e espiritual, pois dava pão para o corpo e orações, que eram o pão para o espírito. Foi uma fonte de força e fé para lutar contra os opressores.

Mas tudo isso era feito paralelamente ao trabalho político, pois no plano da diplomacia defendia seu povo e sua terra em tudo o que fosse preciso. Morreu no dia 18 de abril de 1176 justamente no instante em que fazia, no púlpito, um sermão inflamado contra os pecadores, os hereges, inimigos da Igreja, e os políticos, inimigos da cidade.

Quando terminou o sermão emocionado, em frente a um grande número de fiéis e religiosos, caiu morto de repente.