segunda-feira, 6 de abril de 2015

SANTO DO DIA - 06/04

06/04
Bem-Aventurada Pierina Morosini
Neste dia, lembramos com alegria a vida de Pierina Morosini, que se tornou para nós exemplo de quem conseguiu alcançar a santidade no dia-a-dia. Mulher exemplar, era operária, ativista da Ação Católica, doméstica e muito engajada na paróquia e ação missionária.

Pierina Morosini nasceu em Bérgamo, Itália, em 1931, numa numerosa e pobre família de aldeia. Ajudava a mãe a cuidar das crianças, pois era a mais velha, mas isto fazia com muito amor sem deixar seu compromisso com o árduo trabalho na fábrica que ficava distante de sua casa.

Santa Maria Goretti era sua Santa de devoção, tanto assim que no segredo partilhou com uma amiga que com ela assistia a beatificação da Santa da Castidade: "Também eu desejaria morrer como a Goretti; antes de pecar contra a castidade, prefiro deixar-me matar!" Com tão grande sinceridade ela desejava a vida na pureza da castidade, que mesmo sem poder consagrou-se numa vida religiosa, devido às necessidades da família, Morosini renovava anualmente sua decisão pela castidade e rezava constantemente: "Ó Maria, sempre jovem porque sempre pura, fazei rejuvenescer meu coração com a beleza da castidade".

Esta feliz mulher que lembramos hoje, era ocupada com o drama social, familiar; tinha profunda vida de oração e Eucaristia diária. Pierina Morosini certa vez, voltava da fábrica para casa quando foi atacada e martirizada por um jovem que queria seduzi-la e fazê-la pecar contra a Castidade, isto em 1957. Não precisamos pensar que Deus atendeu ao seu desejo de morrer como Goretti, mas sim que lhe deu a força do mesmo Espírito Santo para que fosse fiel até o fim.
Bem-Aventurada Pierina Morosini, rogai por nós!
São Marcelino
Marcelino foi um sábio e dedicado religioso, amigo e discípulo de Agostinho, bispo de Hipona, depois canonizado e declarado doutor da Igreja. Entretanto Marcelino acabou sendo vítima de um dos lamentáveis cismas que dividiram o cristianismo. Foram influências políticas, como o donatismo, que levaram esse honrado cristão à condenação e ao martírio.

Tudo teve início muitos anos antes, em 310. O imperador Diocleciano ordenara ao povo a entrega e queima de todos os livros sagrados. Quem obedeceu, passou a ser considerado traidor da Igreja. Naquele ano, Ceciliano foi eleito bispo de Cartago, mas teve sua eleição contestada por ter sido referendada por um grupo de bispos traidores, os mesmos que entregaram os livros sagrados.

O bispo Donato era um desses e, além disso, tinha uma posição totalmente contrária ao catolicismo ortodoxo. Ele defendia que os sacramentos só podiam ser ministrados por santos, não por pecadores, isto é, gente comum. Os seguidores do bispo Donato, portanto, tornaram-se os donatistas, e a Igreja dividiu-se.

Em Cartago, Marcelino ocupava dois cargos de grande importância: era tabelião e tribuno, funcionando, assim, como um porta-voz da população diante das autoridades do Império Romano. Era muito religioso, ligado ao bispo Agostinho, de Hipona, reconhecido realmente como homem de muita fé e dedicação à Igreja. Algumas obras escritas pelo grande teólogo bispo Agostinho partiram de consultas feitas por Marcelino. Foram os tratados "sobre a remissão dos pecados", "sobre o Espírito", e o mais importante, "sobre a Trindade", porém nenhum deles pôde ser lido por Marcelino.

Quando Marcelino se opôs ao movimento donatista, em 411, foi denunciado como cúmplice do usurpador Heracliano e condenado à morte. Apenas um ano depois da execução da pena é que o erro da justiça romana foi reconhecido pelo próprio imperador Honório. Assim, a acusação foi anulada e a Igreja passou a reverenciar são Marcelino como mártir. Sua festa litúrgica foi marcada para o dia 6 de abril, data de sua errônea execução.